Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Acolhimento

por Teresa Power, em 06.01.14

Poucos dias antes do Natal, um vizinho anónimo (as crianças andam à procura de pistas sobre a sua identidade) ofereceu-nos uma gatinha preta. "Ofereceu-nos" não é bem a palavra. O que ele fez mesmo foi despejá-la no nosso jardim, sabendo que aqui ela encontraria um lar. E não se enganou! Esta foto foi tirada dois minutos depois de a encontrarmos:

 

 

E esta foi tirada na manhã seguinte, depois do Niall e eu corrermos toda a casa à sua procura, antes das crianças acordarem:

 

 

Conseguem distinguir qual destes dois "peluches" é verdadeiro?

 

 

 

A Bella entrou nas nossas vidas, e agora faz parte da família. Sabemos, naturalmente, que em qualquer momento podemos ficar sem ela, pois é comum os nossos gatos morrerem atropelados na estrada. A morte faz parte da vida e vamo-nos acostumando a ela. Mas por enquanto, alegramo-nos com a sua visita.

 

No salmo 84/83, o salmista canta assim as maravilhas do Templo do Senhor:

 

"Como são amáveis as tuas moradas, ó Senhor do universo!

Até os pássaros encontram abrigo

E a andorinha um ninho para os seus filhos,

Junto dos teus altares, Senhor Deus do universo.

Felizes os que habitam em tua casa

E te louvam sem cessar!"

 

Jesus tinha um coração maior do que o mundo, acolhendo com amor infinito quem d'Ele se aproximava. E a seu exemplo, a Igreja procura ser esta casa de portas abertas, onde até o mais pequeno dos filhos dos homens é acolhido. Ao longo dos séculos da sua aprendizagem na escola do Senhor, a Igreja cometeu muitos erros, mas também foi ela a primeira a chegar lá aonde ninguém queria chegar: aos pobres, aos abandonados, aos famintos. Foi a Igreja que fundou as primeiras escolas, os primeiros hospitais, os primeiros orfanatos. Quando o supertufão atacou as Filipinas,o mundo levou algum tempo a encontrar formas de voar até às ilhas para ajudar os sobreviventes. Mas ao chegar, descobriu que as Missionárias da Madre Teresa de Calcutá já lá estavam, de mangas arregaçadas e sorriso no rosto.

 

Também as portas das nossas casas precisam de se abrir a quem bate. E não apenas a gatinhos "perdidos": é preciso acolher todos os que procuram um abrigo, um ombro amigo, uma palavra, um saco de roupa, um cabaz de comida, ajuda para encontrar emprego, ou apenas uma oração...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:19


1 comentário

De Helena LE Blanc a 08.01.2014 às 22:52

Ola Teresa! Quem é que hoje em dia acolhe um animal? Comprar um animal de raça há muita gente deu o faz...mesmo em tempo de crise... Mas acolher uma criatura de Deus? há tantos no nosso país abandonados! Acolhem, educam e depois abandonam na estrada... porque já não dá muito jeito ter um animal! enquanto filhos de Deus temos a responsabilidade de tomar conta, cuidar do planeta em que vivemos e também tomar conta, cuidar de todas as criaturas, seres vivos... Claro que temos a cadeia da alimentação... mas isso é uma coisa (é resposta à necessidade de sobrevivência), outra é ser descuidado, abusivo, maltratar... enfim!
Agora... como poderemos cuidar, ajudar, acarinhar, sorrir até, a outros seres humanos se não o conseguimos fazer a criaturas simples como os animais?

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D