Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Confissão

por Teresa Power, em 20.12.13

Hoje à noite é tempo de confissões na nossa paróquia. Depois de jantar, lá iremos à igreja, à vez para que os pequeninos não fiquem sozinhos, o pai, a mãe, o Francisco, a Clarinha e o David. Depois de nos confessarmos, poderemos respirar fundo: tudo estará a postos para o Natal acontecer!

 

O Papa Francisco falou recentemente (25 de outubro de 2013) da necessidade da confissão individual dos pecados. Não somos católicos se não recebemos o sacramento do perdão através de um sacerdote, nosso irmão. Disse o Papa:

 

"Confessar diretamente a Deus, como se diz por aí, é como confessar por e-mail, não há um olhos nos olhos, um face a face. Confessar os nossos pecados é dizer ao Senhor: "Sou pecador", mas dizê-lo através do irmão, para que seja concreto."

 

E acrescentou:

 

"Quando as crianças vêm confessar-se nunca dizem coisas genéricas. São concretas. Têm a simplicidade da verdade."

 

Olhando para o pequeno David, percebi o que o Santo Padre quis dizer. Foi no ano passado, tinha o David seis anos. Eu tinha-lhe prometido que, aos seis anos, o levaria à confissão. O David andava entusiasmadíssimo com a ideia. Perguntei-lhe se se lembrava das suas asneiras e se estava preparado para as contar a Jesus. Expliquei-lhe que não iria ver Jesus, mas iria ver o senhor padre, e que o senhor padre representa Jesus para nós. E lá fomos.

Quando chegámos à igreja, o David viu o nosso pároco, que conhece bem, cá fora no átrio. Correu para ele e, depois do costumeiro cumprimento "Dá cá mais cinco!", disse de um fôlego:

-Ontem menti à mamã e bati no António!

O senhor padre sorriu, sem compreender bem aquele desabafo, e continuou a conversar com as pessoas que iam chegando à igreja. Dei-me conta de que me esquecera de alguns pormenores na minha explicação sobre a confissão!

- David, temos de ir ao confessionário, ali na igreja. Entras e ficas a sós com o senhor padre, para ele te ouvir melhor, como Jesus te quer também ouvir. Jesus gosta de estar a sós com cada um. Depois é que contas os teus pecados, sim?

O David entendeu. Entrou no confessionário e, ao sair, trazia um sorriso rasgado no rosto. Agora já era crescido! Tivera a coragem de assumir as suas culpas, tivera a humildade de as contar a um irmão, e escutara as palavras da salvação: "Vai em paz, estás perdoado!" À noite, durante a oração familiar, o David agradeceu:

- Obrigado, Jesus, porque fui confessar-me como os crescidos. Agora tenho o coração limpinho!

E eu agradeci silenciosamente: obrigado, Jesus, porque me ensinaste como deve ser a minha confissão. Como o David, devo ter pressa e entusiasmo em ir ter conTigo. Como o David, nada de ideias vagas, nada de pecados genéricos!

 

Para podermos confessar-nos assim, com a simplicidade das crianças, precisamos de o fazer muito frequentemente, ou corremos o risco de nos esquecermos dos nossos pecados. O Santo Padre confessa-se todos os quinze dias. Nós, embora muito mais pecadores, confessamo-nos uma vez por mês. Hoje é dia de confissão!

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:05




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D