Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A brisa suave

por Teresa Power, em 10.06.14

Refeição familiar. Tempo de família por excelência, se bem que geralmente, bastante atribulado.

- Hoje na escola os meus amigos foram maus para mim...

- E que te fizeram eles, António?

- Mãe, sabes que há galáxias que se afastam da nossa mais depressa do que a luz?

- Sei, Francisco, quer dizer, não fazia ideia, mas diz lá, António, o que aconteceu?

- Esqueceste-te de assinar o meu teste de Inglês, mãe, e por isso levei falta.

- Eu é que me esqueci, Clarinha, ou foste tu que não mo deste para assinar?

- ... As galáxias não deveriam ser visíveis porque a luz não as alcança, mas são. E aí é que está o mistério. Queres saber porquê?

- Quero, queria, até devia querer, mas agora, Francisco... Sara, a comida é para meter na boca e não nos olhos! Saaaaara!

- Eu até te dei o teste, mas tu estavas a dar banho à Sara e disseste que depois assinavas.

- ...

- Diz, Lúcia?

-...

- Não podes falar mais alto, Lúcia?

- Shiu! Calem-se todos, que assim não consigo ouvir a Lúcia!

- Shiu!

Silêncio.

- Já podes falar, Lúcia. Diz lá!

 

A Lúcia tem uma estratégia muito eficaz para se fazer ouvir no meio da algazarra dos irmãos: em vez de falar mais alto do que todos, fala mais baixo do que todos. Consequentemente, todos se calam para a ouvir! E ao conseguir a atenção da família, a Lúcia exprime-se então, feliz.

 

Fico a pensar no barulho que fazemos na nossa vida. Quanto ruído! Em muitas casas, a televisão está sempre ligada, mesmo que ninguém esteja interessado nela. Entramos no carro, e ligamos de imediato o rádio... Na Net, lemos tanta coisa sem interesse, por mera curiosidade. E são cada vez mais os jovens que passam o dia de auscultadores nos ouvidos.

 

Acontece que Deus usa a mesma técnica da Lúcia... e fala muito baixinho! Quando Elias se pôs à escuta de Deus, na caverna do monte Horeb -

"...passou um vento violento, que fendia as montanhas e quebrava os rochedos diante do Senhor; mas o Senhor não se encontrava no vento. Depois do vento, tremeu a terra. Passou o tremor de terra e ateou-se um fogo; mas nem no fogo se encontrava o Senhor. Depois do fogo, ouviu-se o murmúrio de uma brisa suave. Ao ouvi-lo, Elias cobriu o rosto com um manto, saiu e pôs-se à entrada da caverna." (1Rs 19, 11-13) Tinha reconhecido a voz de Deus!

 

Na nossa casa, de nada adianta pedir às crianças: "Calem-se!" Mas se lhes dissermos "Escutem a Lúcia!" conseguimos o desejado silêncio. Disse Christine Ponsard em A Fé em Família, Edições Paulinas:

 

"Ensinar o silêncio a uma criança não é dizer-lhe: «Cala-te», mas sim: «Escuta»."

 

Precisamos urgentemente de baixar o volume da nossa própria voz e das vozes que nos enchem os ouvidos. Não o façamos apenas para saborearmos o silêncio ou o vazio da mente ("cala-te!"), segunda tantas propostas válidas de relaxamento ou meditação, pois não é esse o "alvo" do cristão: façamo-lo para podermos ouvir a voz de Deus ("escuta!"). Só assim cumpriremos o mandamento de "rezar sem cessar" (1Ts 5, 17)...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:25




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D