Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Estará Cristo dividido?

por Teresa Power, em 29.01.14

Esta pergunta de S. Paulo, em tom de provocação, foi o lema da semana de oração pela unidade dos cristãos, este ano. Na verdade, desde o seu início que os cristãos tiveram de lutar contra a divisão. Os doze apóstolos não podiam ser mais diferentes uns dos outros! E como se não bastasse, pouco depois de Jesus ressuscitar veio juntar-se ao grupo "um de fora", alguém que não comera com Jesus, que não sofrera com Ele, que não testemunhara os seus milagres nem escutara as suas palavras: Paulo. As suas cartas e o livro dos Actos dos Apóstolos reflectem muitos dos conflitos que entretanto surgiram na Igreja por causa deste "intruso" escolhido pelo próprio Jesus!

 

No dia 25 de Janeiro, o papa afirmou aquilo que todos sabemos: "a divisão dos cristãos é um escândalo". E contudo, ela continua! Todos os anos temos uma semana de oração pela unidade. Quando a semana termina, regressamos às nossas vidas e às nossas divisões, e durante mais um ano inteirinho não voltamos a pensar no assunto... É de facto escandaloso.

 

Em Fátima, na semana passada, o Niall e eu participámos numa Eucaristia concelebrada por católicos, ortodoxos e anglicanos. E todos comungámos o mesmo Pão e bebemos do mesmo Cálice. Enquanto os teólogos vão debatendo as suas questões, a Igreja de Cristo tem de ir procurando viver a unidade no terreno. É preciso que o espírito se antecipe à letra, ou arriscamos esperar mais alguns milénios pela unidade pedida por Jesus.

 

 

 

 

Cá em casa, os frutos do ecumenismo são belos e doces: com a Família Duggar, uma família americana evangélica, aprendemos muitas coisas, entre elas, a contar histórias da Bíblia aos nossos filhos; com uma família metodista suiça, que conheci quando tinha quinze anos, aprendemos a cantar antes das refeições; com as igrejas pentecostais, aprendemos a louvar o Senhor cantando e dançando; com os ortodoxos, descobrimos ícones belíssimos, que veneramos e contemplamos...

 

A unidade não significa anulação da diversidade. Pelo contrário! É maravilhoso sermos todos tão diferentes e termos formas tão diferentes de rezar e evangelizar. Mas não pode haver unidade sem os dois grandes focos que permitiram a unidade dos cristãos no seu início:

- a Eucaristia, Corpo e Sangue de Jesus, que faz da Igreja uma mesma família, porque um único Corpo onde corre o mesmo sangue, e sangue divino;

- e Maria, a Mãe que congregava em oração os doze apóstolos. Maria, oferecida por Deus à Igreja como Mãe, para que a Igreja seja família e não um partido ou uma ONG. Maria que em Fátima, na sua Casa, congregou cristãos de confissões tão diversas, todos de terço na mão!

"A Deus nada é impossível" (Gen 18, 14; Lc 1, 37), repete-nos a Bíblia...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:50




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D