Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Geração Erasmus

por Teresa Power, em 05.12.14

A grande reportagem da SIC deixou os mais novos muito desapontados:

- Porque é que não mostraram nós a jogar à bola?

- Porque é que não mostraram o António a apanhar os ovos no galinheiro?

- Porque é que não mostraram eu a andar de patins?

- Eles filmaram tanto, e não mostraram nada!

- Mas apanharam a Winnie, viste?

- E a Clarinha estava tão nervosa, que trocou as idades todas!

- Não faz mal.

- Também não mostraram a Sara no baloiço, nem o Canto de Oração...

- Não. Só mostraram um bocadinho da nossa conversa na sala!

- Não faz mal.

- Pois não.

O António já não ouviu o final desta nossa conversa, porque dormia profundamente no sofá. Para quem se costuma deitar às oito e meia...

Claro que, em televisão, com tempo contado, não se pode mostrar tudo o que foi filmado. Mas esta reportagem foi, realmente, uma reportagem bastante coerente com os sinais dos tempos actuais, toda ela centrada nas rendas de casa, nas expectativas de emprego, na vida de "borga" de um estudante. Para utilizar uma expressão muito cara do Papa Francisco: uma reportagem mundana. Para trás ficaram as imagens, que certamente foram muitas,  de crianças a brincar. Pelo menos cá em casa, as filmagens foram longas e divertidas, tratando aspectos culturais muito interessantes, como o contacto com a família que vive no estrangeiro e as diferenças de cultura de cada país. Imagino que assim tenha sido nas outras casas também. Mas Portugal está envelhecido, não tenhamos dúvidas. As imagens das brincadeiras infantis de todos estes "bebés Erasmus" teriam dado cor e alegria à reportagem, que ficou, como Portugal, demasiado séria.

 

Olhando para as imagens daqueles jovens estudantes Erasmus, ocorreram-me muitos pensamentos, mais do que irei registar aqui. Mas ficam alguns:

Hoje, a vida de um estudante Erasmus é feita de muitos confortos! Pelo que pude perceber, até há empresas que prestam serviços de cozinha e tratamento da roupa. Ser estudante num país estrangeiro é uma oportunidade tão boa para aprender a cuidar de uma casa e a tomar conta de si, que me parece uma perfeita estupidez não a aproveitar. Eu aprendi a cozinhar quando fui para a Alemanha e estou muito contente por isso! Parabéns à jovem que, na reportagem, também disse estar a aprender a cozinhar!

Durante todo o tempo que esteve na Alemanha, o Niall sempre trabalhou em restaurantes, lavando a louça, para pagar a sua estadia (como referiu nas filmagens, mas não foi publicado). Não, as bolsas não são suficientes, mas quem disse que tinham de ser? Os jovens precisam de se fazer à vida, o mais cedo possível...

Estar longe de casa ou do namorado, mas poder aceder ao Skype 24 sobre 24 horas é um luxo que não consigo imaginar. Continuo grata às cabines de telefone e ao correio, com tempos bem marcados, que nos ajudavam a aprender a arte de saber esperar. Lembram-se da Raposa e do Principezinho?

 

"Se vieres, por exemplo, às quatro horas, às três, eu já começo a ser feliz. E quanto mais perto for da hora, mais feliz me sentirei. Às quatro em ponto já hei-de estar toda agitada e inquieta: é o preço da felicidade! Mas se chegares a uma hora qualquer, eu nunca saberei a que horas é que hei-de começar a arranjar o meu coração, a vesti-lo, a pô-lo bonito..."

 

Quando se namora, a arte de saber esperar é extremamente útil, pois é a espera que produz a constância e a fortaleza interior.

Ah, e talvez com menos Skype a jovem retratada na reportagem fosse obrigada, como eu fui, a sair de casa e a lançar-se na grande aventura de fazer amigos...

Finalmente, a questão final: segundo Umberto Eco, "Erasmus" é sinónimo de "orgasmus". Fiquei tão chocada com esta afirmação, que levei alguns segundos mais de reacção do que gostaria, ao ser entrevistada. Eu casei virgem e acredito profundamente no valor da virgindade, não apenas fisica, naturalmente, mas capaz de abarcar a pessoa inteira, com um corpo, uma alma, uma vida.

É muito fácil perder a virgindade e ter todos os orgasmos que se quiser ter quando se é Erasmus, claro: como um dos estudantes entrevistados disse: "Ninguém te conhece, estás por tua conta, os teus amigos e familiares não te podem ver, fazes o que te apetece."

Deixar-se ir na corrente - fazer o que é mais fácil e que, afinal, todos fazem - não tem absolutamente nada de radical; e qual é o jovem que não gosta de ser radical? Um jovem que, quando ninguém o está a ver, continua a agir de acordo com os seus valores e princípios, desses que não se vendem, esse sim, é um jovem radical.

Acredito que seja muito difícil, no actual ambiente universitário, manter-se fiel à doutrina cristã. E sinto a urgência de trabalhar as questões do namoro, da castidade (sim, a palavra ainda existe), da fidelidade, da fortaleza, com casais de namorados e de noivos. Penso que as Famílias de Caná também terão de partir para esse grande apostolado... Deus o dirá. E à medida que os meus filhos vão crescendo e se vão aproximando da descoberta do amor, também estes temas serão tratados aqui no blogue. Àquele jovem, apetecia-me apenas dizer com o salmo 139:

 

"Onde é que eu poderia ocultar-me do teu espírito?

Para onde poderia fugir, longe da tua presença?

Nem as trevas são escuras para Ti,

e a noite seria, para Ti, tão brilhante como o dia..."

 

Mesmo que ninguém te veja, caro jovem, Deus vê-te...

IMG_6159.JPG

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


16 comentários

De Paula Almeida a 05.12.2014 às 08:43

Bom dia Teresa

Realmente fiquei desiludida com a reportagem. Os próprios media gostam de mostrar que para muitos estudantes, principalmente estando fora de casa, é só borga. Os próprios estudantes adoram ir estudar para Coimbra por causa dessa vida.
Mas não é essa toda a verdade. A minha filha mais velha estuda em Coimbra e tanto ela como muitas amigas não fazem vida nocturna. Tal como a irmã que estuda na universidade em Aveiro. E essa quando foi para Aveiro não sabia cozinhar nada. Desenrascou-se. Um dia telefonou-me toda contente a dizer que tinha feito arroz :) A diferença está em se ter consciência de que para estarem ali os pais têm de fazer sacrifícios, muitos sacrifícios. É tudo uma questão de educação. Acho eu...

De Teresa Power a 05.12.2014 às 08:49

O Niall contou, na entrevista, que trabalhou durante todo o tempo em que esteve na Alemanha - e trabalhou muito, num restaurante - para poder pagar o seu alojamento, pois os pais, com nove filhos, não podiam ajudar mais. Mas eles cortaram essa parte...

De Aida a 05.12.2014 às 09:59

Gostei muito de vos ver na reportagem. Sei que o objectivo do blog não é dar a conhecer os Power , mas acabamos por vos ir "conhecendo" e por isso foi muito giro ver-vos em movimento e com som, foi muito bom conhecer-vos!
Concordo com a Teresa e os miúdos ao dizerem que mostraram muito pouco, mas com tantas histórias é normal que assim fosse.
Ao ver a reportagem e com o post de hoje, ocorre-me dizer que a correria dos dias de hoje e com as novas tecnologias na nossa mão a sociedade obriga-nos, sobretudo as jovens, a viver ao máximo. A ideia é que temos de aproveitar tudo, ter as experiências todas, viver a vida em pleno - erasmus orgamus " surge nesse sentido. Parece-me que o homem tem mais medo da "morte" do que nunca. Não podemos viver na morte simbólica, temos de viver ao máximo. O homem não se apercebe assim, que as alegrias passageiras conduzem a uma morte interior, a uma sede/insatisfação nunca saciada.
"quem a Deus tem nada lhe falta, só Deus basta!"

De Teresa Power a 05.12.2014 às 10:12

Sim, Aida, descobrir em Deus a fonte da verdadeira vida em abundância é o que é preciso para se ser feliz, jovem ou não! Felicidades!

De Alexandrina Andrade a 05.12.2014 às 10:03

Gostaria de facto de ver os seus filhos no baloiço, nas brincadeiras. Mas na televisão todos os segundos contam e penso, que independentemente de todos os testemunhos, o jornalista já sabia previamente aquilo que queria transmitir. No entanto, A Teresa e o Niall mostraram uma alegria contagiante que acho que não passou despercebida a ninguém, até as minhas filhas ficaram pregadas ao écran e quando viram a cadela (penso eu) e um gato, disseram logo "olha é aquele gato que se enfiou nas gavetas", isto porque uma vez mostrei-lhes o post dos gatinhos.
Continuem com essa alegria! Tudo de bom.

De Teresa Power a 05.12.2014 às 10:11

Obrigada, Alexandrina! Eu já sabia que eles não iriam mostrar tudo o que filmaram, naturalmente, mas houve momentos tão divertidos nas filmagens (e imagino que nas outras casas com crianças também) que bastava passá-los como "pano de fundo" para dar mais colorido. A nossa TV é muito séria! Bjs

De Sónia a 05.12.2014 às 10:05

Olá Teresa,
não consegui ver e ouvir a reportagem ontem, mas vi-a de relance na tv e gostei tanto!
É muito bonita e transparece uma felicidade incrível!
Obrigada pelo seu testemunho aqui no blog que inspira quem a lê a procurar em Deus esse brilho especial que a acompanha!

beijinhos
Sónia

De claudia a 05.12.2014 às 10:33

Olá Teresa, Nial e queridos Power,
Adorei ver-vos na televisão.. estavam todos maravilhosos como sempre, e muito fieis Às vossas convicções. Gostei particularmente das vossas respostas como família católica. Está descansada Teresa, conseguiste fazer bem passar a vossa índole. Também fui estudante universitária longe de casa, não erasmus , e concordo que é uma experiencia para a vida, cozinhar, gerir dinheiro, conhecer pessoas, orientar a nossa vida. Vivi 7 anos numa residência universitária mista ( existem poucas em Coimbra ) eu vivi numa delas, havia rapazes e raparigas e havia respeito mutuo. Também havia uns engraçadinhos, mas cada um respeitava os pisos. Relativamente À afirmação daquele estudante, é uma pena, mas não é só erasmus que vêem assim a vida académica. Infelizmente alguns estudantes portugueses também vivem assim a sua vida. Não foi o meu caso felizmente. No entanto, gostaria de deixar aqui uma nota, eu fui uma típica estudante de Coimbra , eu fui praxada, eu praxei, eu diverti-me com meu colegas e amigos em festas de residencia. a> e convívios estudantis, saí à noite para discotecas, saí à noite para queima das fitas... eu não bebia álcool , não fumava mas divertia-me muito. Conheci muita gente, ajudei muitos erasmus a integrarem-se cá em Coimbra . Cheguei a ir buscar e ir levar erasmus e colegas à estação rodoviária. Descobri tudo isso aos 18 anos, e coincidiu também com a altura da minha conversão. O facto de fazer tudo isto, deu-me bases para conhecer o mundo, lá fora de casa Eu fiz a minha licenciatura nos anos coretos e trabalhei também para pagar os meus estudos. Todo este percurso fez-me enriquecer a nível pessoas, conheci várias cultura, várias pessoas que ainda hoje comunico. Tudo isso não fez que me "perdesse" nas convicções muito pelo contrario, foi isso mesmo que me fez encontrar. Foi numa praxe que conheci meu marido, foi numa festa de residência a> que me convidaram para um encontro de jovens católicos , foi numa queima que nos encontrámos todos e decidimos fazer grupo de oração na residência a> . Como podem ver a vida académica pode ser vivida com borga, com responsabilidade cívica e moral. Os erasmus têm um lugar especial no meu coração. Era eu que apresentava a residencia. a> aos erasmus , era eu que lhes dizia como chegar à universidade, onde ficava a cantina, era eu que os levava a conhecer a tradição de Coimbra , muitos deles até traje compraram. Fui eu junto com Ana Luís que recebemos muitos erasmus , e muitos deles serão para sempre família. abraço Teresa...

De claudia a 05.12.2014 às 10:38

desculpem as gralhas, escrevo com uma bebé de 8 meses ao colo. =)

De Teresa Power a 06.12.2014 às 12:27

É a melhor maneira de escrever :) Beijinhos a todos, Cláudia!

De Anónimo a 05.12.2014 às 10:43

Teresa, gostei de a ver na reportagem. Ter sido pouco tempo, achei normal. Quanto ao resto, eles têm razão. Pelo que eu vejo, Erasmus é em grande parte orgasmus. Não sei a percentagem estatística, mas acho que é muito grande. A vida nocturna dos estudantes também é intensa, com prejuízo do estudo, da carteira dos pais e, pior do que tudo, do amadurecimento deles próprios. Não só fora, mas em Braga, Coimbra, etc. São adultos para tudo, menos para serem independentes economicamente e para não sobrecarregarem os pais não para o que é preciso, mas para as borgas e a vida de preguiça. Ah, que não há empregos, etc. Pois não. Mas conheço muitos que, aos 30, não trabalham porque não têm emprego, mas continuam com a vida de borga e tudo a pagar pelos pais. O seu marido teve um emprego para ajudar a pagar os gastos? Pois, agora, são os pais mais velhos e às vezes doentes que arranjam biscates além do trabalho do dia para ajudar a pagar as despesas dos filhos, desempregados mas acomodados. Não tomam conta de crianças, não fazem umas horas em trabalhos simples, não ganham uns dinheiritos para fazer companhia a idosos, etc, etc. Tudo isto tem efeito de exemplo e os pais que querem mostrar aos filhos que assim não está certo, vêem-se confrontados com a alegação de que não cumprem os seus deveres e os outros pais é que são bons. As famílias que educam os filhos em sãos princípios podem pensar que com elas está tudo bem, mas têm de tirar a candeia debaixo do alqueire e mostrar que há muitas coisas a mudar na educação dos filhos, mesmo nas famílias que não partilham valores religiosos. Trata-se de valores cívicos. Como é que isto se faz, não sei. Se as famílias de Caná podem ajudar, para lá do círculo dos seus membros, também não sei. Os blogues já são alguma coisa.

De claudia a 05.12.2014 às 10:47

Uma vez, num encontro de jovens disseram-me não evangelizamos se estivermos fechados em casa. Então eu pergunto se os poucos jovens católicos com caminhada na fé, se fecharem no quarto da residência ? como é que vão conhecer outros com as mesmas convicções? como é que poderemos evangelizar o outro, dar a conhecer a nossa fé fechados no quarto? Jesus não se fechou, Sua Santidade, o Papa não se fecha. Pensai nisso.

De Rogério Ribeiro a 05.12.2014 às 18:27

Olá, Teresa!
De facto os nossos jovens estão mal habituados, queixam-se de falta de oportunidades e que as bolsas são pequenas, mas não querem sujar as mãos.
Quantos de nós tivemos essas oportunidades?
Parabéns pela reportagem...
Só a pergunta final foi estúpida!
Adeus!

De Patty a 05.12.2014 às 23:18

Teresa, desculpe, pode dizer-me, por favor, a que horas irão à Missa, no Santuário, Domingo. Estaremos na zona, e gostaríamos muito de conseguir ir à mesma Missa que vós... :)

De Teresa Power a 06.12.2014 às 08:13

Finalmente, Patty! Olhe que muitas vezes pergunto-me se a Patty estará na missa, pois um dia disse que isso podia acontecer... Domingo, estaremos na missa das 10h no Santuário. Segunda, como é dia de Nossa Senhora, a missa é ás 9h30 para depois termos a procissão. Então até domingo às 10h! Como eu nunca vi uma foto sua, ao contrário da Patty, não se esqueça de vir ter comigo no final :)

De Patty a 06.12.2014 às 17:07

Obrigada, Teresa! Lá estaremos, cheios de alegria, se Deus quiser! Que bom... :)

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D