Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Malala e os professores

por Teresa Power, em 11.10.14

Era primavera, algures no ano lectivo passado, e estávamos a jantar.

- Mãe, pai, têm alguma sugestão para a minha apresentação oral de Português? - Perguntou a Clarinha num tom desanimado.

- Sugestão? Bem, qual é o tema?

- É livre. Podemos falar de tudo, durante cinco minutos. Não tenho a menor ideia! Ajudem-me!

Durante todo o jantar, a família Power fez então um longo brainstorming para ajudar a Clarinha. Houve imensas sugestões, deste a origem do chocolate aos cangurus. Por fim, o Niall disse:

- Acho que podes aproveitar esta oportunidade para descobrir alguma coisa realmente interessante, em vez de te debruçares sobre meras curiosidades. Por exemplo, uma personalidade que tenha marcado o nosso mundo.

- Que seca!

- Não, Clarinha. Alguém realmente interessante e que seja para ti uma inspiração. Pode ser Nelson Mandela, ou... Já sei! Malala!

A Clarinha abriu os olhos de espanto.

- Quem é essa?

- Ahah, isso agora é contigo! O teu trabalho vai ser descobrir quem é Malala. Basta escrever o nome dela no Google para teres logo acesso a um milhão de sites. Depois, a mãe ajuda-te a organizar o teu pensamento.

Assim foi. A Clarinha deitou mãos ao trabalho, viu vídeos, leu discursos, e finalmente elaborou um belíssimo trabalho. Cá em casa, já todos falavam na Malala e na sua luta pela liberdade de educação das crianças no Paquistão, da sua coragem frente às armas que quase lhe roubaram a vida, da sua audácia, da sua competência, do seu projecto de vida. Pequenos e grandes, todos parávamos diante do computador enquanto a Clarinha nos mostrava uma e outra vez os vídeos com os seus discursos, especialmente o discurso frente à ONU. A apresentação oral passou, mas a Clarinha pediu para comprar o livro Eu, Malala. Leu-o e depois deu-o a ler ao Francisco.

IMG_6440.JPG

No início deste ano lectivo, para aprofundar com os alunos do sétimo ano e dos cursos vocacionais as questões sobre identificação pessoal (nome, nacionalidade, idade, hobbies, família, etc), nas minhas aulas de Inglês, escolhi precisamente a Malala. Como defendi no post de ontem, o meu cristianismo tem de passar por aqui, pela capacidade de oferecer aos alunos muito mais do que os manuais lhes oferecem (ou impingem) e por os ajudar a construir valores verdadeiros e belos. Num curto PowerPoint, escrevi os dados identificativos da Malala e coloquei algumas imagens, que explorámos na aula. Os alunos escutavam-me, de olhos muito abertos. A grande maioria nunca tinha ouvido falar em Malala.

 

Ontem, no primeiro intervalo da manhã, hora a que costumo ler o mail, tinha uma mensagem do Niall: "A Malala acaba de ganhar o Nobel da Paz! " Abri de imediato o link que ele me enviava e li a notícia. Trocámos mais alguns mails rápidos, até que a campaínha me avisou de que o intervalo acabara. Dois minutos depois, eu estava a dar a notícia aos meus alunos, e no fim do dia, aos meus filhos. À noite, na oração, agradecemos a Deus esta grande graça.

 

"Bendito sejas, ó Pai, porque escondeste estas coisas aos grandes e poderosos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado!" (Mt 11,25)

 

Aos dezassete anos, Malala é a mais jovem vencedora do Nobel. Malala combate o bom combate, sem armas de fogo e sem medo, toda entregue nas mãos de Deus, a quem trata por Alá. Malala conhece a força que vem do Amor! Recordo aqui algumas das suas palavras:

 

 

“As armas mais poderosas são as canetas e os livros.”
“Os talibãs pensavam que as balas nos iam silenciar, mas enganaram-se. E desse silêncio nasceram milhares de vozes.”
“Nada mudou na minha vida no dia do atentado, excepto isto: o medo e o desespero morreram; a força, o poder e a coragem nasceram.”

Nos "Agradecimentos", no seu livro, Malala escreveu ainda:

"O último ano deu-me a conhecer tanto o ódio extremo do Homem, como o amor ilimitado de Deus."

 

E a minha preferida, aquela que me provoca borbulhas na pele pela responsabilidade que me incute, que me faz tremer pela grandiosidade do dom que me foi confiado:

"Uma criança, um professor, um livro, uma caneta podem mudar o mundo."

Assim seja, Malala!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


1 comentário

De Rute Almeida a 11.10.2014 às 17:51

Eu e o Serge gostamos muito de conhecer e contar aos mais pequenos histórias reais de pessoas que mudaram o mundo, é sempre um ponto inicial inspirador, especialmente a história de santos. Na catequese ou no grupo de jovens tentamos sempre que possível apresentar casos reais modelos para nós. Um caso real vale por mil teorias...

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D