Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Se queres um amigo, cativa-me!

por Teresa Power, em 22.05.14

Que será que os meninos estão tão concentrados a observar, atrás dos arbustos?

Eu mostro-vos:

Sim, o Pantufa é o nosso mais recente amiguinho de quatro patas! Como disse no post sobre a Bella, os gatinhos na nossa casa não parecem durar muito. Talvez porque tenhamos uma estrada à frente e outra atrás, ou talvez porque a liberdade do jardim aberto e dos telhados vizinhos seja atraente... O facto é que os nossos gatos não têm sete vidas, mas o oposto - precisamos de sete gatos para conseguir a duração de uma vida de gato! Assim, por alturas da Páscoa, a Bella e o Charlie deixaram-nos no espaço de uma semana. Nunca os encontrámos mortos na estrada, pelo que mantemos uma secreta esperança de um dia os rever. Mas entretanto, recebemos o Pantufa. Não é bonito?

A Sara parece achar que sim. E sem dar qualquer importância ao pavor do gatinho, que só se quer esconder, persegue-o pelo jardim com determinação:

 

 

Finalmente, a sua persistência é recompensada:

 

E agora, o Pantufa já ronrona, feliz, ao nosso colo ou deitado no sofá, como se aqui tivesse nascido!

 

"Se queres um amigo, cativa-me", disse a Raposa ao Principezinho, no clássico do Exupéry. A amizade dá trabalho! Educar também. Como professora, sei bem o trabalho que dá cativar um aluno rebelde. E sei que é muito mais fácil desistir e fingir que não conseguimos...

E como mãe?

 

Disse Jesus:

 

"O que quiserdes que vos façam os homens, fazei-o também a eles." (Mt 7, 12)

 

Uma das palavras que me mais me marcou na minha vida de mãe foi esta, lida quando o Francisco e a Clarinha eram muito pequeninos, e escrita a partir destas palavras de Jesus que citei em cima:

 

"Faça aos seus filhos aquilo que gostava que os outros lhes fizessem". (Os Pais e a Educação Emocional, Pergaminho, capítulo 1)

E inversamente, "Não faça aos seus filhos aquilo que não gostava que os outros lhes fizessem."

 

Se alguém gritasse com os meus filhos como eu às vezes grito? Se alguém lhes dissesse o que eu às vezes digo? Porque não havemos de ser tão simpáticos com os nossos filhos como com os filhos dos outros, que vêm lanchar a nossa casa? Porque não havemos de ser tão simpáticos com os nossos filhos como queremos que os pais dos seus amigos e os seus professores sejam?...

Esta máxima da educação emocional tem-me ajudado imenso a controlar, ou pelo menos a esforçar-me por controlar a minha irritação com as crianças pequenas ao longo de todo o processo de educação de seis traquinas. E a perceber que também em casa é preciso cativar... Como a Sara com o Pantufa, precisamos de brincar, de chamar, de sentar no chão ao seu lado, de rir ao seu lado, de tropeçar na relva ao seu lado, até que eles - aos dois anos como aos doze - se sintam seguros na nossa companhia e se deixem afagar...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:47




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D