Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Rebento de oliveira

por Teresa Power, em 02.10.15

Quando viemos viver para Mogofores, em agosto de 2007, a nossa casinha estava acabada de construir, mas o jardim ainda era um monte de pedras e silvas. Trabalhando arduamente, o Niall limpou o terreno, encomendou a terra, semeou a relva, plantou árvores de fruto e flores. Que alegria, ver o jardim a ganhar forma pouco a pouco!

Entretanto, uns amigos ouviram-me falar de um dos meus sonhos: ter uma oliveira no centro do jardim. Eu cresci na Beira Baixa, e as oliveiras evocam em mim as recordações mais autênticas e doces da minha infância. A minha casinha só estaria pronta quando a oliveira chegasse...

E chegou: os nossos amigos tinham um olival, e decidiram oferecer-nos uma das suas oliveiras, frondosa e bela, com mais de duzentos anos. Que maravilha!

Mas quando o trator, em outubro, deixou a oliveira no nosso jardim, na cova que, entretanto, o Niall cavara noite após noite para a receber, a minha desilusão foi grande: a oliveira alta e frondosa era simplesmente um tronco! Nem ramos, nem folhas: um tronco castanho e seco.

 

IMG_20151001_0001.jpg

- Que aconteceu, Niall? - Perguntei, aflita. Ele riu-se:

- É assim mesmo! Para transplantar a oliveira foi preciso cortar os ramos, pois de outra forma, ela morria. Agora temos de esperar que voltem a crescer!

- E vão crescer?

- Claro! O senhor disse-nos que a próxima primavera será o exame final: ou a oliveira rebenta por todos os lados, lançando pequenos ramos que logo crescerão, ou não rebenta, e nesse caso, está morta.

Durante todo o inverno, cuidámos da oliveira, na esperança de que tivesse aguentado bem a mudança de habitat. Mas eu estava impaciente pela prova final: estaria ela verdadeiramente viva?

Durante todo o inverno também, parecia-me escutar a voz de Deus, pedindo-me que acolhesse um novo filho. Era um chamamento distinto, persistente, percebido no mais íntimo do meu ser. O Niall e eu estávamos abertos à vida, e esperávamos, com curiosidade, a visita do Senhor.

Manhã de fevereiro, 2008. É sábado, e por isso não há pressa em sair de casa. Já é quase primavera... Haverá sinais de vida, na nossa oliveira? Espreitar o seu tronco rugoso tornou-se um hábito matinal: dirijo-me ao jardim, e observo.

E eis que, de repente, sou tomada pela visão de uma folhinha minúscula a espreitar do tronco. Sim, é o primeiro rebento! A oliveira está viva!

Então, antes de gritar de alegria, antes de correr a anunciar a boa notícia, vem-me à memória o versículo de um salmo:

 

"Teus filhos serão como rebentos de oliveira ao redor da tua mesa." (Sl 128, 3)

 

Instintivamente, levo a mão ao ventre: não preciso de teste de gravidez. Aquele rebento de oliveira faz-me saber, com uma certeza inusitada, que o meu ventre já está habitado... Não sei que notícia dar primeiro.

Foi assim que a Lúcia se fez anunciar, há sete anos atrás. Dia 2 de outubro, dia do Anjo da Guarda, ela nascia, rebento de oliveira em flor, para encher a nossa casa de risos. Hoje, celebrando o seu aniversário, vendo-a saltar de alegria ao desembrulhar as prendas, recebendo os seus abraços, fazendo-lhe as tranças marotas, eu recordo o tronco rugoso, a espera impaciente, o rebento minúsculo a anunciar a primavera, e a Palavra surgindo cá dentro... Quem, senão o Senhor, faz milagres assim? Ele enche a Terra de sinais do seu amor, e nós andamos tão distraídos...

Parabéns, querida filha!

DSC04539.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Harmonia - ou convivência forçada?

por Teresa Power, em 24.07.15

A nossa casa é uma casa extremamente barulhenta, entre crianças, galinhas, gatos e cães; mas é também uma casa extremamente pacífica. Senão vejam:

Jack e Branquinho.JPG

 Sim, os cães e os gatos gostam de se enroscar uns nos outros e de brincar em grande grupo!

DSC03405.JPG

DSC03413.JPG

 Se repararem bem nestas fotos, verão como os gatinhos se entretêm a observar os franguinhos, sem um único gesto ofensivo. Afinal, nasceram quase ao mesmo tempo!

Mais ainda: numa noite de inverno, no ano passado, descobri que a Tiger - a mãe dos gatinhos - dormia encostada às galinhas, provavelmente à procura de calor... A sério!

Já observaram esta oliveira florida? Aposto que não conheciam esta espécie, capaz de produzir flores brancas tão belas...

DSC03552.JPG

Ora aqui fica a solução deste enigma: não, as flores não são da oliveira, mas de uma lindíssima trepadeira que decidiu abraçar a nossa oliveira, casando-se com ela vestida de alvura!

DSC03554.JPG

DSC03555.JPG

Às vezes, também os nossos filhos experimentam momentos de intensa harmonia. Vejam, por exemplo, a felicidade dos mais novos, quando o Francisco se oferece para os ajudar a construir objetos especiais em lego:

lego 1.JPG

Ou a alegria da Sara, aos saltos nas ondas com os mais velhos:

DSC02882.JPG

O David só se aventura nas ondas grandes se a Clarinha ou o Francisco estiverem por perto...

CAM00480.jpg

E o António também!

CAM00488.jpg

 Reparem neste trabalho conjunto na cozinha, enquanto a mãe escreve um "post"... O David lê a receita a partir do tablet da Clarinha, a Lúcia vai encontrando o material necessário, a Clarinha faz o bolo e a Sara, claro, rapa as tigelas!

cozinhar 2.JPG

Depois, o piquenique no jardim sabe bem melhor:

piquenique no jardim 3.JPG

 - Lúcia, a Sara quer uma história, mas eu tenho de ir levar a Clarinha ao treino! Contas-lha tu?

- Sim, mamã!

Lùcia a ler à Sara.JPG

Os cães, os gatos e as galinhas não têm alternativa senão dar-se bem. A nossa casa não permite que vivam separados, e a porta do galinheiro está constantemente a ser aberta por mãozinhas pouco cuidadosas, que se esquecem de a fechar... A oliveira e a trepadeira também não têm alternativa: o espaço é pouco e ambas precisam de crescer!

Quanto aos nossos filhos... Bem, talvez o segredo não seja muito diferente! Um mesmo espaço continuamente partilhado por uma família numerosa, e multiplas ocasiões para se servirem uns aos outros e para cuidarem uns dos outros...

 As férias são tempo privilegiado para que os irmãos brinquem juntos, trabalhem juntos, se aborreçam juntos, discutam juntos, e se ajudem uns aos outros. Nos dias que correm, é frequente as férias separarem as famílias: os mais novos têm de frequentar o ATL, porque os pais trabalham; os jovens participam em inúmeras atividades longe de casa... Tudo faz parte e tudo é bom, claro! Mas corremos o grande risco de transformar as férias em mais uma sessão de "cada um por si".

Para que os irmãos aprendam a ser irmãos, é necessário que nós, pais, lhes ofereçamos contínuas oportunidades de cuidarem uns dos outros, dando-lhes responsabilidades de acordo com as suas idades e capacidades. Que não falte, nas férias, um tempo largo para unir pais e filhos e para unir os irmãos entre si!

 

"Como é bom e agradável os irmãos viverem em harmonia!" (Sl 133)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Zaqueu II

por Teresa Power, em 06.04.14

João Paulo II declarou um dia que a Árvore de Zaqueu da Igreja é o sacramento da Confissão. O papa Francisco deu na semana passada o exemplo, durante uma celebração penitencial: levantando-se da Presidência, dirigiu-se a um confessionário e, de joelhos, confessou-se. Depois entrou noutro confessionário e preparou-se para oferecer aos irmãos o perdão de Jesus.

 

Empoleirados na nossa oliveira o melhor que pudémos, cantámos um cântico sobre Zaqueu (Lc 19, 1-10) e várias outras personagens dos evangelhos, que escrevi há algum tempo e que gostamos de cantar na nossa paróquia. Aqui fica o vídeo com a primeira estrofe e o refrão. Deixo também a letra do cântico completo, para poderem aprender e cantar connosco!

 

CONVERSÃO


Lá                   Ré   Mi                                      Lá    Ré  
DESCE DEPRESSA! HOJE VOU FICAR EM TUA CASA!
                       Mi                               Lá
TAMBÉM PARA TI CHEGOU A SALVAÇÃO! (Lc 19, 5.9)

Lá                  Ré        Mi         Lá
1 – Eu ouvi dizer que ias passar
                Ré         Mi               Lá
E fui a correr p’ra ver-Te chegar
              Fá#m                Sim                Mi
Pensava esconder-me no meio da multidão
 Lá                    Fá#m         Sim                 Mi 
Mas Tu me chamaste, tocaste o meu coração! (Lc 19, 1-10)

2 – Vieste chamar quem é pecador
Vem pois ao meu lar falar-me de amor.
No Reino de Deus também eu quero entrar!
Dá-me o Teu perdão, ajuda-me a não pecar! (Lc 5, 29-32)

3 – Queria Te ver e encontrei-Te aqui
O meu coração tem sede de Ti
Eu quero chorar o meu pecado, Senhor!
Teus pés vou lavar com lágrimas de amor! (Lc 7, 36-50)

4 – Lembra-Te de mim, ó meu bom Jesus
Quando regressares na glória e na luz
Do mais fundo abismo, Senhor, peço perdão!
E na Tua cruz encontro a salvação! (Lc 23, 40-43)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:31

Azeite

por Teresa Power, em 19.02.14

Uma das famílias que estiveram neste retiro veio dos lados de Proença. Traziam três filhos pequeninos e muita vontade de conhecer de perto as histórias e os protagonistas deste blogue. No domingo, depois da missa, almoçaram em nossa casa. O sol brilhava sorridente, o que permitiu às crianças brincar toda a tarde em Náturia, enquanto nós, os pais, conversavamos como se nos conhecessemos desde sempre. No final do dia, ao olhar para os seus filhos sujos, molhados, rotos e felizes, os nossos novos amigos entenderam melhor aquela história dos ciganitos... e decidiram que, de futuro, à casa dos Power virão com roupa velha!

 

Antes de partir, ofereceram-nos um garrafão com cinco litros do seu azeite. Ontem cozinhei com este azeite tão puro e tão raro, e com ele temperei a nossa salada. Delicioso! Fez-me lembrar tempos antigos, quando comia em casa dos meus avós e me deleitava com os seus pratos beirões. Depois procurei uma velha lamparina, que costumo acender no Natal. Deitei nela um pouco deste azeite e acendi o pavio.

Os nossos novos amigos iluminaram a nossa casa com a sua alegria e a sua partilha; a luz do seu azeite iluminou o nosso Canto de Oração.

 

 

Fiquei a pensar no significado bíblico do azeite.

E imaginei Maria e José na apanha da azeitona. Quanto trabalho! Apanhar, escolher, curtir, tratar, esmagar, prensar. Tudo para que, daquelas bolinhas pretas e ácidas, pudesse nascer o azeite, e do azeite, pudesse nascer a luz.

A luz que brilha nas trevas tem por detrás uma longa história de trabalho, dedicação e amor.

 

Como esta família, precisamos urgentemente de nos empenhar na elaboração do nosso "azeite" familiar. Precisamos de tempo, de entrega, de esforço; precisamos de oração simples mas constante; precisamos da Eucaristia; precisamos da Confissão; precisamos de gestos de amor e partilha. Do nosso compromisso fiel como Família de Caná, nascerá um azeite puro e único, diferente de todos os outros - o nosso. Com ele iluminaremos a nossa casa; e se o partilharmos, iluminaremos as casas de muitos à nossa volta...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Poda da oliveira

por Teresa Power, em 30.12.13

Ontem foi dia de poda. A nossa querida oliveira precisa de perder alguns ramos durante o inverno para que na primavera possa rebentar com mais força e, no verão, possamos ter a sombra que precisamos no jardim!

O Francisco, felizmente, já tirou a tala da mão, e por isso acompanhou o pai durante todo o trabalho de poda:

 

 

 

A Clarinha, a Lúcia,o David e o António procuraram salvar algumas azeitonas que ainda davam para tratar e comer, esquecidas nos ramos que, entretanto, o pai e o irmão iam cortando e atirando ao chão:

 

 

 

 

Mas eu acho que o que eles estavam mesmo a fazer era uma batalha de azeitonas, com armas de paus e de ramos...

 

 

 

 

 

...E até a Sara se divertiu a valer!

 

 

 

A oliveira ficou bem podada. O Niall já podia descer da árvore... Mas como é que se faz isso? No meio de muitas gargalhadas, o David, a Clarinha e o Francisco ensinaram ao pai como descer e indicaram-lhe exatamente onde colocar os pés. Afinal, eles têm bastante mais prática!

 

 

 

 A nossa oliveira perdeu bastantes ramos e parece muito despida. Mas sabemos que os ramos que ficaram, aqueles que nos vão dar a desejada sombra durante o verão, vão crescer mais fortes, mais grossos e mais belos depois desta poda.

 

Jesus diz-nos no Evangelho:

 

"Meu Pai corta todo o ramo que não dá fruto em Mim e poda o que dá fruto para que dê mais fruto ainda." (Jo 15, 2)

 

Se queremos que a nossa vida dê fruto abundante, se queremos que a nossa família cresça feliz, precisamos de estender os nossos ramos à tesoura da poda, ou até ao serrote de poda, para que Deus faça o que achar melhor.

 

A poda chega  frequentemente em forma de dificuldades, sofrimentos, doenças, perda de capacidade financeira para o estilo de vida a que nos habituámos.

A poda pode também assumir a forma de uma rotina mais difícil, aceitando tempo de oração, missa dominical, tempo para servir os irmãos.

A poda é tudo aquilo que magoa o nosso eu e, quando necessário, o corta e o faz diminuir, para que Jesus possa crescer. Disse João Baptista:

 

"Ele é que deve crescer, e eu, diminuir!" (Jo 3, 30)

 

 Mas a poda não deve ser triste, pelo contrário! Antes desta afirmação, o mesmo João Baptista disse também:

 

"Esta é a minha alegria! E tornou-se completa!" (Jo 3, 29)

 

Bem, cá em casa, a poda foi mesmo muito divertida!...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:56

A oliveira

por Teresa Power, em 23.11.13

No centro do nosso jardim há uma oliveira. Velhinha, com mais de duzentos anos, foi-nos oferecida quando nos mudámos cá para casa, há seis anos atrás, e aqui voltou a rebentar, a dar sombra e a dar frutos. Os meninos adoram subir aos seus ramos, sentar-se lá em cima a sonhar ou a ler um livro, brincar às escondidas por detrás do seu tronco forte. Na primavera, os passarinhos fazem ninhos num pequeno buraco no tronco, e é uma delícia observá-los a entrar e a sair para alimentar os filhotes!

 

 

 

 

Cada vez que observo os meus filhos a brincar na oliveira, vem-me à memória o belíssimo versículo do salmo 128 (127):

 

"Teus filhos, como rebentos de oliveira ao redor da tua mesa!"

 

No sábado passado fizemos a apanha da azeitona. Com uma só oliveira, passámos a tarde inteira à volta das azeitonas... Imagine-se quem tem dez! Enfim, tentámos todas as técnicas: abanar a árvore a ver se as azeitonas caem ao chão (não resulta!); subirem todos à árvore (muito giro, mas os ramos vão-se partindo!); construir um sistema de roldanas com baldes da praia e cordas de saltar (muito divertido, os mais velhos constroem e os mais novos destroem, mas pouco eficaz!); finalmente, quando os meninos se cansam da tarefa e decidem ir patinar, o pai sobe à oliveira e apanha as azeitonas (única técnica que realmente resulta!). Foi uma fantástica tarde de outono em família!

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:27



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D