Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Árvore caída

por Teresa Power, em 07.04.16

Durante as férias da Páscoa, fomos ao parque da Curia, como já é habitual. O Francisco, a Clarinha e o David fizeram de bicicleta os dois quilómetros que nos separam da Curia, e eu segui no carro com os três mais novos.

O parque estava lindo, cheio de luz e de sombras, de caminhos enlameados onde se refletiam os raios de sol, que teimavam em espreitar pelas altas copas das árvores.

- Vamos explorar, mãe! Até já! - Disseram quase todos ao mesmo tempo, deixando-me com a Sara pela mão. Mas a Sara também quis explorar, claro, e obrigou-me a correr pelos carreiros atrás dos meus filhos.

- Mãe, vem cá ver! Encontrámos uma coisa maravilhosa!

- Maravilhosa! A melhor brincadeira do mundo!

- Nem imaginas! Dá para fazer coisas fantásticas!

- Já subimos e descemos e já andámos de baloiço ali e tudo!

Fiquei cheia de curiosidade. O que seria? Cheguei a uma clareira, e vi... Bem, vejam vocês comigo:

 DSC06245.JPG

DSC06250.JPG

DSC06253.JPG

DSC06275.JPG

DSC06280.JPG

DSC06287.JPG

DSC06290.JPG

DSC06293.JPG

 Julgo que terá sido uma das recentes tempestades a lançar por terra estas árvores grandiosas e belas, que fazem do parque da Curia um lugar tão especial...

Árvores caídas. Árvores arrancadas pela raiz. Árvores que já não se elevam para os céus, mas se misturam com a lama e a terra. Árvores que em vez de raizes, enterram as folhas e as flores. Para nós, adultos, a visão de uma árvore tombada é desoladora.

Mas os meus filhos não vêem as coisas assim...

Para eles, as árvores tombadas transformaram-se em baloiços, labirintos, paredes de escalada, lugar de brincadeira. Foi ali mesmo, ao lado daquelas pobres árvores, que lanchámos e que passámos a maior parte da tarde.

De regresso a casa, dei comigo a sorrir sozinha. É tão giro ver as crianças a tirar proveito de tudo! A árvore já não nos dá oxigénio? Sempre nos pode servir de baloiço. A árvore já não abriga os passarinhos? Mas agora abriga as centopeias... Razão tem o Senhor ao dizer que precisamos de um coração de criança para sermos verdadeiramente felizes!

Fiquei a pensar na quantidade de coisas e acontecimentos da vida que podemos, como as crianças, explorar de forma diferente daquela com que foram planeados ou desejados: o emprego que tenho não me dá a riqueza que eu merecia? Talvez me torne rico em humildade... O namoro não correu bem? Quantas lições me ensinou! Os filhos não aprendem com facilidade? Vão certamente aumentar a minha paciência. Os professores não explicam como deveriam? Se explicassem, nunca me teriam feito procurar as respostas por mim mesmo. Sofri uma injustiça? Que ótima oportunidade para unir o meu coração ao de Jesus! Não encontro ninguém com quem casar, ou não consigo engravidar? Talvez esta "árvore caída" me ofereça uma oportunidade novinha em folha de responder a uma vocação diferente e especialíssima do Senhor! A reunião de trabalho parece interminável? Espero que me poupe pelo menos meia hora de purgatório :)

Através de Isaías, o Senhor assegura-nos que é no deserto que brotam os seus rios divinos, e da terra queimada que surgem os seus lagos:

 

"As águas jorrarão do deserto e a terra queimada mudar-se-á em lago, as fontes brotarão da terra seca." (Is 35, 6-7)

 

Cada vez que recordo as gargalhadas no nosso piquenique na Curia, vem-me ao pensamento uma oração... Rezem-na comigo: "Jesus, dá-me um coração de criança, para que eu saiba sempre brincar em cima de qualquer árvore caída na minha vida! Ámen."

DSC06302.JPG

Autoria e outros dados (tags, etc)

A paz

por Teresa Power, em 14.01.14

Os três mais novos tinham trabalho de casa do infantário: construir, em família, uma pomba da paz, e conversar sobre o que é isso da paz. O desafio estava lançado para mais uma evangelização familiar!

Pedi ao Francisco, o nosso "mestre do origami", que procurasse na net uma pomba da paz em origami e a construísse connosco. Os mais pequenos adoram os origamis do irmão, que faz nascer cavalos, borboletas, sapos e macacos de um pedaço de papel branco. A pomba da paz ficou linda!

Sentei-me junto da lareira com eles, enquanto os mais velhos, por perto, iam fazendo as suas coisas e mantendo um ouvido atento à nossa conversa.

 

 

- O que é isso de estar em paz?

- Eu sei! É ficar sozinho!

- Pois é, a mamã diz que quer ficar em paz e nós vamos para os quartos fazer barulho!

Dei uma gargalhada.

- Isso sou eu que digo palavras tolas. Estar em paz não é estar sozinho, pois para haver paz é preciso haver outras pessoas. Por exemplo, o que é "fazer as pazes"?

- É fazer a paz!

- Isso mesmo: a paz nasce do perdão. Quando desculpamos o outro, quando somos bons até para quem é mau, isso é a paz. Sabem o que diz a Bíblia sobre a paz?

Eles quiseram ouvir. Abri o Livro do Profeta Isaías e li:

 

"Então o lobo habitará com o cordeiro, e o leopardo deitar-se-á ao lado do cabrito;

o novilho e o leão comerão juntos, e um menino os conduzirá.

A vaca pastará com o urso, e as suas crias repousarão juntas;

o leão comerá palha como o boi.

A criancinha brincará na toca da víbora e o menino desmamado meterá a mão na toca da serpente." (Is 11, 6-9)

 

Quando acabei de ler, eles estavam fascinados e pediram para repetir. Depois ficaram a conversar sobre ursos, leões e víboras, enquanto eu fui cuidar da Sara, que acordara da sesta.

 

Chegou a hora da nossa oração familiar. Na sua vez de partilhar a oração, o David rezou assim:

- Jesus, quando for o Dia Mundial da Paz vou pegar numa víbora com as mãos e vou ser o maior!

E sem esperar que ele acabasse, a Lúcia acrescentou:

- Jesus, e eu vou fazer festinhas a um ursinho branquinho do Pólo Norte!

- Esse era para mim! - Gritou o António.

O Niall abanou a cabeça, a rir:

- Que é que tu lhes estiveste a ensinar sobre a paz?

E o Francisco, num tom brincalhão: - Isso é interpretação literal da Bíblia! 

 

Procurar o sentido profundo da Palavra de Deus é sinal de maturidade espiritual. Mas interpretar a Bíblia à letra é privilégio das crianças. Para elas, a Bíblia é um livro de histórias fantástico, cheio de príncipes e princesas, reis e raínhas, guerreiros, cavaleiros e gigantes, jardins zoológicos dentro de navios e tsunamis que transformam o mar em muralhas. Uma história da Bíblia antes de dormir é um bilhete para sonhos felizes.

 

Bem, interpretar a Bíblia à letra na nossa casa faz bastante sentido, se pensarmos em cenas como esta, repetidas a cada novo bebé e a cada novo gato, num breve instante de distracção:

 

 

 

Graças a Deus e à sua paz, nenhum dos nossos filhos alguma vez sofreu o mais pequeno arranhão!

 

Mas o sentido profundo da Palavra é mais exigente. Nas alturas em que todos gritam e ralham, a começar por mim, os mais velhos se insultam, os mais novos se batem, e até a bochecha do David aparece mordida pela Sara, pergunto-me por onde andará a paz!

Depois escuto, muito baixinho, as palavras de Jesus, repetidas a cada geração, a cada família, a cada um de nós... As palavras que ordenaram ao vento que se calasse e ao mar que acalmasse; as palavras que perdoaram ao paralítico e à mulher adúltera; as palavras que ressuscitaram Lázaro e fizeram Zaqueu descer da árvore. E sei... 

... que o nome da paz é Jesus! N'Ele estão todos os "dias mundiais da paz" a que se referia o David. N'Ele estão também todas as "pazes" da nossa família, que depois de cada discussão se refaz uma e outra vez...

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:46



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II


Posts mais comentados


Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D