Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"Não chores, se me amas"

por Teresa Power, em 19.05.14

Faz hoje oito anos que o Tomás partiu para o céu, com dezassete meses apenas.

Uma semana antes, no hospital, a Dra Alice dera-me a terrível notícia: a quimioterapia e a operação à cabeça não tinham resultado. O tumor não parava de crescer. Não havia mais nada a fazer senão esperar pela morte. Decidi então tirar de imediato o Tomás do hospital e levá-lo para casa, onde ele poderia morrer no aconchego da sua família. As enfermeiras ensinaram-nos, ao Niall e a mim, a administrar os soros e a medicação ao Tomás, e no dia 13 de Maio, a nossa pequena família teve a alegria de se reunir de novo sob o mesmo tecto - mesmo que apenas por poucos dias.

Durante aquela semana, perguntava-me com frequência: "Como será quando ele morrer? Terei medo? Serei capaz de aguentar?" Nessa noite, deitado na sua caminha de grades, o Tomás tinha estado muito inquieto, como sempre. O Niall cuidara dele a noite inteira, pois eu, grávida de cinco meses, tinha dificuldade em me levantar para o acarinhar. Mesmo assim, ainda lhe aplicara um supositório de ben-u-ron pelas cinco horas da manhã. E depois, ele acalmara. Quando acordei, por volta das sete horas, estranhei ter estado duas horas seguidas a dormir, e dirigi-me imediatamente para a sua caminha. Ele estava imóvel, de barriga para cima, com um rosto sereno. Coloquei suavemente a minha mão no seu rosto, afagando-o com jeitinho para não o acordar. Mas não havia perigo de o fazer... Nesse instante, o Francisco, com sete anos, entrou no nosso quarto e dirigiu-se também para o berço:

- Mamã, o Tomás dormiu bem? - Perguntou.

- Sim, Frankie, o Tomás está bem... - Respondi.

- Ele ainda está a dormir?

- Não, Frankie... Acho que... Parece-me que não está a respirar...

Coloquei a cabeça sobre o seu peito, para sentir a sua respiração. Depois levantei-me de novo:

- Acho que o Tomás já está no céu!

 

A morte tornou-se de repente tão simples, tão fácil, tão serena! O medo desfez-se como uma bola de sabão e os gestos que se seguiram - retirar os tubos e as agulhas, desligar as máquinas, lavar, vestir o Tomás - surgiram espontâneos. Nem as lágrimas, nem as explicações dadas aos pequeninos, nem os abraços, nem as visitas perturbaram a paz daquele momento belíssimo. Na minha mente, imaginava o alívio que o Tomás deve ter experimentado ao sentir o seu espírito elevar-se devagarinho do seu corpo ferido... Terá olhado para trás, para o pai e a mãe que dormitavam ao lado da sua caminha? Creio que sim. Mas Deus chamava-o com um amor impossível de resistir. Como a borboleta abandonando o casulo, o Tomás apressou-se a voar para os braços do Pai.

 

O corpinho do Tomás permaneceu na sua caminha, ao lado da nossa, durante todo aquele dia e durante a noite seguinte. Na manhã do dia 20, levantámo-lo finalmente do seu berço e colocámo-lo dentro de um caixão pequenino e branco, com o seu peluche. Depois fomos juntos até à igreja onde o Tomás fora baptizado, na Praia da Barra, que já estava cheia de crianças. Eram os amiguinhos do Francisco e da Clarinha que não os quiseram abandonar nesse dia tão difícil. A seu lado, vários professores, educadoras e irmãs do Colégio e do Centro Social S. José de Cluny. E a catequista do Francisco. E os nossos familiares, amigos e colegas. Em acção de graças, no fim do funeral, pedi à Isabel que lesse o texto belíssimo de Santo Agostinho, que ainda hoje trago sempre na carteira para me amparar quando tenho saudades:

 

"Se conhecesses o mistério imenso do Céu onde agora vivo, este horizonte sem fim, esta luz que tudo reveste e penetra, não chorarias, se me amas!

Estou já absorvido no encanto de Deus, na sua infindável beleza.

Permanece em mim o teu amor, uma enorme ternura que nem tu consegues imaginar.

Vivo numa alegria puríssima.

Nas angústias do tempo, pensa nesta Casa onde um dia estaremos reunidos para além da morte, matando a sede na fonte inesgotável da alegria e do amor infinito.

Não chores, se verdadeiramente me amas!"

 

E S. Paulo acrescenta:

"Nem olho viu, nem ouvido ouviu, nem o coração do homem pressentiu, isso que Deus preparou para aqueles que O amam!" (1Cor 2, 9)

 

No final da missa, largámos balões...

 

Querido Tomás, tu partiste, mas não foste para longe... A cada domingo, na missa, sei que estás diante do altar, ajoelhado em adoração com uma multidão de anjos e santos, no momento em que o sacerdote consagra o pão e o vinho e Jesus Se torna presente entre nós, trazendo consigo todo o céu. Estás ao meu lado quando todos os teus irmãos se vão embora para a escola e para as suas actividades, e continuarás a meu lado quando eles saírem de casa para construírem as suas vidas. Estás ao lado do Francisco quando ele salta obstáculos com o cavalo e ao lado da Clarinha quando ela faz um mortal em ginástica artística. Sorris para os teus manos mais novos, que nunca chegaste a conhecer na Terra, mas que aguardas com expectativa no céu para uma brincadeira que não terá fim.

Tomás, reza por nós! Ámen.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:11


12 comentários

De maria amelia castel-branco a 19.05.2014 às 10:21

TAMBÉM NESTA SEMANA ESTIVE SEMPRE CONTIGO MEU NETO QUERIDO E LINDO! pASSAVAS AS SEXTAS-FEIRAS COMIGO ATÉ A TUA MAE GHEGAR...E JÁ ME CHAMAVAS VÓVÓ!
fORAM UNS MESES MUITO DIFÍCEIS E RECORDO QUE NA VÉSPERA DA TUA PARTIDA EU SENTI QUE TU ENTRAVAS EM COMA. dESPEDI-ME DE TI POIS SABIA QUE NO DIA SEGUINTE JÁ ESTARIAS NO CÉU...
e ASSIM FOI, MEU QUERIDO!
pEDE AO JESUS POR TODOS NÓS E ESPERO UM DIA TORNAR A VER-TE COM OUTROS OLHOS.....
HAVIA QUE TOMAR CONTA DOS TEUS MANOS E A MIM COMPETIA-ME ISSO...

De Ana Raquel a 19.05.2014 às 10:32

olá!

sou mãe há 3 meses e este post tocou-me fundo no coração. mas o que mais me impressionou foi a serenidade com que falam do Tomás e da sua morte. obrigado mais uma vez por este testemunho! um beijinho para todos

Ana Raquel Evaristo

De Lurdes a 19.05.2014 às 14:02

Querida Teresa,



Não há como não comentar este post ... por mais que me faltem as palavras, não podia passar por aqui, como o faço há vários meses, e hoje não comentar. Nem que fosse apenas para deixar um beijinho e um abraço que poderão aquecer o seu coração nas horas de maior saudades.



Tomás, reza pela tua belíssima família.



Lurdes

De Joana Morais da Rocha a 19.05.2014 às 16:29

A Teresa tem um coração cheio de amor. Que bom, que bonito este post. Obrigada pelo testemunho! Também acredito que o Tomás está sempre convosco.
Abraço

De Sara Isabel a 19.05.2014 às 20:29

Querida Teresa

Tento imaginar o que sente e por mais que tente não consigo imaginar-me a reagir assim perante uma situação semelhante. Ás vezes a Teresa parece um ser humano de um nível tão acima do comum dos mortais que me leva a admirá-la tanto que já não passo sem ler o seu blog todos os dias. São tão poucas as pessoas que me servem de inspiração nos dias de hoje, mas talvez vendo as coisas sob outra perspetiva ...talvez eu não sirva de inspiração para muita gente...logo se não semeio não devia esperar colher...
Só a Teresa para encarar assim a que penso ser a dor maior que um ser humano-uma mãe-pode passar...
Engraçado que ao longo destes meses a ler o seu blog até me sinto mais espiritual e mais próxima de Deus do que antes. Hoje achei curioso a Teresa dizer que traz o texto de Sto Agostinho na carteira e...que coincidência: trago o mesmo texto na minha desde que morreu o meu pai no ano passado.
Obrigado Teresa pelo blog, por fazer parte da minha vida todos os dias, por me ter aproximado de Deus (não que estivesse afastada, mas não via as coisas da mesma forma que vejo agora) e...obrigado por servir de exemplo à minha filha de 9 anos que já a acha também um ser excecional ... aliás até há pouco tempo ela achava que a Teresa não existia...era como as pessoas que aparecem na televisão e que ela sabe que nunca verá...- engana-se porque se tudo correr bem vai conhecê-la pessoalmente já no próximo sábado bjs Sara Gonçalves

De Guida a 19.05.2014 às 22:20

Teresa:
Não há palavras. Li e torno a ler.....há posts que escreves (aliás, praticamente todos) que tocam fundo, mas este.......não o consigo ler sem que as lágrimas que corram no rosto.....é de uma simplicidade e de uma grandeza que não há o que dizer a não ser agradecer-te a partilha de momentos tão sofridos e ao mesmo tempo tão serenos que descreves nesta fase tão complicada pela qual toda a família passou......O Tomás tem muita sorte.....e deve estar sempre a sorrir e a tomar conta de todos......um grande bem-haja, Teresa, pela tua disponibilidade em transformares este blog num meio de comunicação da Palavra, que se tornou não só para mim mas para muitas pessoas como uma rotina de oração.....Um beijinho muito grande para todos.....

De Teresa Alexandre a 21.05.2014 às 12:03

Querida Teresa,

só queria fazer minhas as palavras da Guida.
Eu, mae de uma filha de 4 anos, nao consigo imaginar o que será perder um filho de ano e meio. Ainda por cima estando grávida!
Deus tocou-te e tu tocas os nossos coracoes.
Os que te conhecem a ti e à tua família - como é o meu caso - sabem bem que vocês passaram por muitos momentos menos bons. Saber aceitar e seguir em frente nao é fácil!
Gostei tanto da fotografia dos baloes, parece uma festa de aniversário e nao um funeral.
Obrigada por partilhares connosco!

Um grande beijinho para todos

De Teresa Power a 21.05.2014 às 12:11

Olá Teresa! Que bom "ouvir-te"! Obrigada pela tua partilha! Sim, temos de deixar-nos tocar por Deus, "incendiar-nos" pelo seu amor como disse também hoje no post, e tudo se torna - não mais fácil - mas mais belo! Bjs Teresa

De Maria da Luz a 03.06.2014 às 12:21

Cara Teresa:

Não queria deixar de agredecer este vosso blog fantástico, que tanto me desafia a ter uma vida mais entregue a Deus.
Sou católica, casada, mãe de dois filhos e é uma benção ver outros casais com testemunhos de vida tão fortes, tão genuínos, que nos servem de alento a acreditar que é possível viver a nossa fé no dia-a-dia, no quotidiano.
Obrigada por tudo. Fico mesmo agrecida pelo vosso exemplo e pela forma como vivem a dor e a alegria, a vida e a morte, a dificuldade e a graça.
Maria João

De Teresa Power a 03.06.2014 às 12:39

Obrigada! Tem sido para nós uma experiência realmente bonita, esta partilha de vivências! Saber que há famílias "aí fora" em sintonia de fé e de oração connosco é mesmo reconfortante! Ab Teresa

De Bruxa Mimi a 08.06.2014 às 21:27

Só hoje li este post, agora mesmo... e, ao contrário da Teresa, que viveu tudo com a máxima serenidade e paz, eu não consegui evitar que escorressem lágrimas.

Mais uma vez obrigada por este blogue.

De Anónimo a 01.09.2016 às 00:50

Acabei de perder o meu avô, e esse resto trouxe-me paz.

Comentar post




subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D