Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O argueiro, a trave e os filhos

por Teresa Power, em 24.09.15

Hora de oração familiar. Junto ao Canto de Oração, lemos as leituras da missa do dia.

 

"E por que atentas tu no argueiro que está no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho? Ou como podes dizer a teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o argueiro que está no teu olho, não atentando tu mesmo na trave que está no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão." (Lucas 6:41,42)

 

Ainda não acabei de ler, e já as perguntas chovem:

- O que é um argueiro?

- E uma trave?

- Um argueiro é uma coisa pequenina, um grão de poeira, e uma trave é uma coisa grande - Explica o Francisco, solícito.

- Não percebi o que Jesus disse então...

- Quem quer explicar?

A Clarinha aventura-se:

- Quer dizer que, antes de apontarmos os erros dos outros, temos de corrigir os nossos.

- Mas - Intervém o David com ar importante - os pais passam a vida a fazer isso mesmo! Eles zangam-se quando fazemos as coisas erradas, mas eles também fazem coisas más!

O Niall e eu trocamos um sorriso cúmplice. O tema que o David trouxe à nossa discussão não nos é absolutamente nada estranho. Quantas e quantas vezes conversamos entre nós sobre as oportunidades de crescimento que os filhos nos proporcionam!

- David - respondo - Tens toda a razão! Os pais não têm o direito de dizer aos filhos para não gritar, se eles gritam por todo o lado; ou de lhes dizer que não se deve mentir, se eles lhes mentem; ou de os mandar rezar, se não rezam; ou de os obrigar a estudar, se eles fogem às suas obrigações de trabalho!

- Nós sabemos disso - Acrescenta o Niall - E podes ter a certeza, David, que ter seis filhos é uma escola de santidade magnífica! Por vossa causa, para vos podermos educar corretamente, nós sentimo-nos desafiados a corrigir os nossos defeitos.

 

Já depois de os deitarmos, o Niall e eu continuámos a nossa conversa:

- Já pensaste em tudo o que aprendemos graças aos filhos? - Perguntou-me ele.

- Oh, sim! Lembras-te do caos da nossa casa só com um filho? Da nossa insegurança, da nossa incapacidade em atender a várias frentes ao mesmo tempo...

- Nessa altura, também discutíamos por tanta coisa sem importância!

- E perdíamos tanto tempo com futilidades! Ter todos estes filhos obrigou-nos a selecionar muito bem as nossas atividades, leituras, conversas, passatempos...

- Mas talvez o mais importante tenha sido a nossa relação com Deus.

- Sim, foram os nossos filhos que nos desafiaram a construir um Canto de Oração cada vez mais bonito, e sobretudo, foi para os educar na fé que a nossa oração familiar se transformou na rotina maravilhosa que é hoje.

- É verdade... São as suas perguntas, as suas dúvidas, a sua curiosidade que nos lançam na procura das respostas!

- E são eles que, nos dias de maior agitação, nos desafiam: então hoje não rezamos?

- Deus tem formas diferentes de ajudar as pessoas a alcançar a santidade. O sofrimento é uma escola magnífica, o serviço dos outros é outra, a vida sacerdotal ou consagrada outra. A nossa escola é uma família numerosa, que todos os dias nos desinstala, que nos obriga a interromper os nossos trabalhos e o nosso descanso vezes sem fim, que nem sequer nos permite rezar em paz!

- Ninguém se santifica sentado num sofá...

DSC04446.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:12


8 comentários

De Teresa A. a 24.09.2015 às 09:30

Já me lixaste outra vez ;-)

Escrevia a Olívia há dias: "Sei que quando escreves o fazes inspirada por Deus, pois como poderias tu acertar sempre naquilo que esta ou aquela pessoa precisava de ler no dia certo? "

Pois, e esta acertou outra vez na mosca... Estava eu ontem à noite sentada no sofá a ver televisao- como faco todas as noites depois da minha filha estar deitada - enquanto o meu marido estava no escritório entretido com o computador - como faz todas as noites - e comecei a pensar que é talvez uma grande perda de tempo, cada um para seu lado. E hoje vens-me tu com "Ninguém se santifica sentado num sofá".. mázinha que tu és!

Pronto, lá vou ter que mexer nos nossos hábitos e tentar fazer algo em conjunto, nem que seja a declaracao de impostos.

Já me conseguiste por a rezar mais tempo e mais frequentemente com a minha filha. Eu rezo com ela (quase) todas as noites, mas a oracao costumava ser a primeira coisa que deixava de fazer quando já é tarde ou estou zangada com ela (o que acontece muitas vezes, porque ela tem um feitio tao mau como o meu). Agora rezamos sempre. Ela, no alto dos seus 5 anos, aprendeu a Avé Maria numa semana e quer sempre rezar sózinha. Estamos no Pai Nosso, vamos ver quanto tempo demora a aprender de cor.

De Teresa Power a 24.09.2015 às 14:26

Grande Teresa! É assim mesmo! Toca a levantar e a continuar a trabalhar por uma família feliz!

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D