Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A história do passarinho e a assunção de Nossa Senhora

por Teresa Power, em 15.08.14

"O passarinho quereria voar para o Sol brilhante que lhe fascina o olhar. Pobre dele! tudo quanto pode fazer é agitar as suas pequenas asas; mas levantar voo, isso não está no seu pequeno poder! Que será dele? Morrerá de desgosto, ao ver-se impotente?... Oh, não! o passarinho nem sequer se vai afligir. Com um audacioso abandono, quer ficar a fixar o seu divino Sol. Nada seria capaz de o assustar, nem o vento nem a chuva; e se nuvens sombrias chegam a esconder o Astro do Amor, o passarinho não muda de lugar, pois sabe que para além das nuvens o seu Sol brilha sempre, e que o seu brilho não se poderia eclipsar nem por um instante sequer.
É verdade que às vezes  o coração do passarinho se vê acometido pela tempestade; parece-lhe não acreditar que existe outra coisa, a não ser as nuvens que o envolvem. É então o momento da alegria perfeita para a pobre e débil criaturinha. Que felicidade para ela, permanecer ali, apesar de tudo, e fixar a luz invisível que se esconde à sua fé!..." (História de uma Alma, Ms B 5rº-vº)

 

A História de uma Alma, a autobiografia de Santa Teresinha, acompanhou-me durante toda a minha adolescência e idade adulta, e continua a inspirar a minha oração. A pequena história do passarinho, que permanece fiel mesmo quando não consegue ver o sol, sempre me fascinou. Quantas vezes me sinto como este passarinho e me pergunto: "E se não existir mesmo mais nada depois desta vida?" Mais frequentemente, a dúvida é esta: "E se Deus não cuidar mesmo de mim com amor absoluto? E se eu estiver mesmo sozinha nas dificuldades da vida? E se em vez de Providência, só existir o acaso?"

Santa Teresinha também teve estes ataques à sua fé.  Então recorro à história do passarinho, e lembro-me de que o sol brilha sempre, quer eu o veja, quer não. As nuvens escuras que tapam o sol não o fazem desaparecer, e não é porque eu não o vejo que ele deixa de brilhar. Assim também com o Senhor e o seu amor infinito e absoluto por mim... Nossa Senhora experimentou a tempestade mais dura de todas - a morte violenta de um filho - sempre de pé... As palavras de Teresinha parecem escritas para a Mãe do Céu: "Que felicidade para ela, permanecer ali, apesar de tudo, e fixar a luz invisível que se esconde à sua fé!"

 

Querem saber porque me lembrei hoje da história do passarinho? Bem, no avião, no voo de regresso, contemplei esta paisagem:

 

O sol da manhã brilhava no céu, iluminando todo o espaço e reflectindo os seus raios quentes nas nuvens alvíssimas. Mas quando passámos através das nuvens, perto da aterragem, a terra estava escura e triste... Os mais pequeninos não cabiam em si de espanto! 

 

"Se o teu coração te acusar, não desanimes, pois Deus é maior do que o teu coração." (1Jo 3, 20)

 

A solenidade da Assunção de Nossa Senhora diz-nos que sim, que para lá de todas nuvens, o sol brilha sem cessar. O seu "voo já alcançou a luz sem ocaso. O nosso também a alcançará...

 

(A terna Mãe de Caná, feita em feltro pela Clarinha)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:35

A hora extra

por Teresa Power, em 31.07.14

Sete e meia da manhã. Excitadíssimos, os meninos entraram nos carros, puseram os cintos e prepararam-se para a grande aventura: o dia da viagem chegara! Em breve estariam rodeados de primos, tios e avós no lindo país da Irlanda! O Niall e eu, atarefados até ao último minuto, entrámos também nos carros e ligámos a ignição. O carro do Niall não pegou à primeira. O Niall rodou a chave mais uma vez… e mais uma vez ainda… Não era possível, não estava a acontecer, devíamos estar a sonhar… O carro tinha acabado de passar a inspecção! Não, não iria avariar no dia em que tínhamos um avião para apanhar…
Mas avariou. O carro simplesmente não pegava. Saímos todos novamente dos carros, nervosos e com vontade de chorar. O Niall telefonou ao nosso mecânico, que se prontificou a vir de imediato com uma bateria nova. Entretanto, entrámos de novo em casa e sentámo-nos no Canto de Oração. A Lúcia distribuiu os terços e, juntos, começámos a rezar.


O mecânico apareceu logo que acabámos de rezar o terço. Mudou a bateria do carro, mas o carro continuou sem trabalhar. O problema parece ser mais sério! Só havia uma coisa a fazer – e já estávamos com uma hora de atraso na nossa viagem: empurrar o carro para a estrada, a fim de desimpedir a passagem do monovolume, deixar o mecânico a cuidar dele e seguirmos viagem todos juntos no monovolume. Rapidamente, mudámos as bagagens e acomodámo-nos o melhor que pudemos. A Lúcia e o David partilharam o mesmo cinto de segurança e a mesma cadeira, e lá fomos nós, a alta velocidade, oito pessoas num carro de sete lugares, rumo a Lisboa! À saída da auto-estrada havia obras, que nos atrasaram ainda mais e que nos roubaram os poucos minutos que teríamos para almoçar no aeroporto. Sempre a correr, comprámos algumas “Happy Meals” no aeroporto, fizemos o check-in e, num instante, lá estávamos nós a subir as escadas que nos levariam à Irlanda. Vitória!

Enquanto descíamos a auto-estrada a 140Km à hora, O Niall e eu conversávamos sobre a surpresa da nossa manhã, já bem dispostos.
- Estou muito orgulhosa da forma como reagiste, com tanta calma – Disse-lhe eu – Há uns anos atrás, a avaria do carro teria sido um momento de alto stress e alguns palavrões… Hoje, telefonaste ao mecânico com calma, tomaste a decisão certa com paciência e mantiveste o sorriso. Parabéns!
- Vamos tentar chegar ao fim do dia sem discutir – Sugeriu ele – Nas viagens, é tão fácil encontrar razões para discutirmos e nos enervarmos!
- OK, combinado!
- Sabes – Continuou o Niall – Fiquei calmo porque começo a conhecer Deus um bocadinho melhor. Ele gosta muito de brincar connosco e de nos pregar algumas partidas, exactamente para testar a nossa confiança, a nossa paciência e a nossa fé n’Ele. Eu sabia que tudo ia correr bem, e afinal, o que Deus fez foi aproveitar o espaço que Lhe demos no nosso horário.
- Qual espaço?
- A hora extra, lembras-te? Nós planeámos a viagem com uma hora extra, para as surpresas que aparecessem. Foi essa hora extra que Deus utilizou para nos surpreender! E admite que foi muito mais interessante assim… Teremos de esperar pelo Céu para saber qual a razão de ser de toda esta confusão, mas podes ter a certeza de que Deus sabe!

Fiquei a pensar em Nossa Senhora, com a sua vida tão bem organizada, os seus sonhos de menina, os seus projectos de aldeã simples. Preparava-se certamente para casar com José, quando Deus a surpreendeu com um sonho totalmente diferente, e tão extraordinário, que custava acreditar. Sim, Maria tinha uma “hora extra” marcada no seu projecto de vida, para que Deus a pudesse surpreender!

 

"Nada é impossível a Deus" (Gen 18, 14 e Lc 1, 37)


E rezo para que, em qualquer projecto, em qualquer sonho, em qualquer decisão, tenha sempre uma “hora extra”, um espaço aberto no meu coração para as surpresas de Deus – as boas e as menos boas. Como dizia Chiara Badano: “Tu queres, Jesus? Então eu também quero.” Ámen!


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:19

Voar contra o vento

por Teresa Power, em 29.05.14

- David, no verão vamos para o campo de futebol lançar aviões. Vou aprender a construir um pequeno avião estas férias, e tu vais ajudar-me!

- Ena, Frankie, ainda melhor que o carro de rolamentos!

- Sim, e vais ajudar-me a pô-lo a voar!

- Claro!

- Temos de aproveitar um dia de vento.

- O vento empurra o avião para cima?

- Pelo contrário! Sabes que os aviões descolam e aterram contra o vento?

Eu escutava distraída a conversa entre os dois rapazes, enquanto estendia roupa. A última questão do Francisco deixou-me curiosa.

- Ora explica lá isso melhor! - Pedi-lhe.

O Francisco explicou-me então as leis da aerodinâmica, utilizando termos como sustentação, gravidade, etc. Não reti muito de toda esta informação, pois a física não é o meu forte. Mas entendi o suficiente...

 

Ser cristão é levantar voo contra o vento, claro! Jesus disse-o antes ainda de morrer na cruz:

 

"Vão deitar-vos as mãos e perseguir-vos, metendo-vos nas prisões; hão-de conduzir-vos perante reis e governadores, por causa do meu nome. Assim, tereis ocasião de dar testemunho. Gravai, pois, no vosso coração, que não vos deveis preocupar com a vossa defesa, porque Eu próprio vos darei palavras de sabedoria, a que não poderão resistir ou contradizer os vossos adversários. Sereis entregues até pelos pais, irmãos, parentes e amigos. Hão-de causar a morte a alguns de vós e sereis odiados por todos, por causa do meu nome. Mas não se perderá um só cabelo da vossa cabeça. Pela vossa constância é que sereis salvos." (Lc 21, 12-19)

 

Estou convencida de que o cristianismo irá renascer na Europa, exactamente por causa da perseguição que, também na Europa, se está a intensificar contra os cristãos. Sem ventos contrários, não podemos levantar voo!

No momento em que escrevo, os cristãos na Síria, na Nigéria, no Iraque e em tantas outras partes do mundo estão a ser violentamente impedidos de professar a sua fé. No momento em que escrevo, o mundo aguarda a libertação de mais de 200 meninas cristãs, barbaramente raptadas há dois meses atrás quando frequentavam a sua escola cristã; no momento em que escrevo, uma mãe sudanesa encontra-se presa por ter cometido o delito de casar com um cristão. Tal como Jesus previu, esta mulher foi entregue pelos seus familiares. Junto dela, está um filho de 20 meses; no seu ventre, o segundo filho, com oito meses de gestação. O tribunal condenou-a à morte assim que termine a amamentação do bebé que está para nascer. O que devia Miriam fazer para salvar a sua vida? Renegar a sua fé. Com uma calma e uma segurança impressionantes, Miriam diz que nunca o fará. Miriam irá levantar voo contra todos os ventos, e alcançar uma coroa de glória que brilhará por toda a eternidade. Aqui fica o link para poderem assinar a petição pela libertação desta grande mulher, feita pela Amnistia Internacional.

 

Fico a pensar na quantidade de vezes em que adio o "voo" porque os ventos estão contrários... Se nos falta o tempo, deixamos de rezar; se nos falta o dinheiro, deixamos de ajudar os outros; se o marido ou a mulher não querem ir à missa, deixamos nós de ir; se a vida corre mal, perdemos a fé; se todos fazem, fazemos também; se ninguém faz, deixamos de fazer...

De que temos nós medo? Não prometeu Jesus cuidar até dos cabelos da nossa cabeça? Com medo dos ventos contrários, perdemos a oportunidade de voar!

 

 

Celebremos a Solenidade da Ascenção do Senhor - começando já esta quinta-feira, mas em especial no próximo domingo - levantando os olhos, o coração, a mente e a vontade para esse Céu, onde só um vento contrário nos pode lançar!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:23



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II


Posts mais comentados


Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D