Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Filhos únicos

por Teresa Power, em 23.01.14

Um dos comentários que mais costumo ouvir da parte de quem não acha grande graça a famílias numerosas é este:

- Eu só tenho um filho porque, sabes, gosto de lhe dar atenção!

Até há pouco, a minha resposta costumava ser isto:

-?????????

Mas um dia encontrei as palavras adequadas:

- Eu também gosto de dar atenção aos meus filhos. É por isso que tenho seis filhos únicos!

 

Quem tem vários filhos entende bem a verdade desta afirmação. O amor, por natureza, multiplica-se, nunca se divide. Ama-se um filho com a mesma intensidade com que se amam dez. O crescimento da família não altera em nada o amor que se sente; altera sim a forma como se educa, como se lida com a vida, como se enfrentam as dificuldades.

Comenta-se às vezes com surpresa: "Como é possível dois irmãos tão diferentes, educados pelo mesmo pai e pela mesma mãe!" Mas dois irmãos não são nunca educados "pelo mesmo pai e pela mesma mãe": o pai e a mãe também cresceram de um filho para o outro! A educação que vamos dando aos nossos filhos não é estática, pois a cada dia que passa, nós aprendemos a ser melhores pais e melhores mães. E vamos cometendo menos erros, esperamos! Assim, é natural que, numa família numerosa, os filhos mais novos sejam bastante diferentes dos mais velhos. E a nossa atitude em relação à sua educação também!

 

 

Fomos criados à imagem e semelhança de Deus, diz-nos o Livro do Génesis, 1, 26. É por essa mesma razão que somos capazes de amar muitos filhos. O amor de Deus por nós é um amor de Pai de família numerosa. É da sua paternidade e maternidade que todos nós recebemos o dom da paternidade e da maternidade. É Deus, e só Deus, que nos pode ajudar a amar um filho ou a amar dez com igual intensidade. Deus ama cada um de nós como se ninguém mais existisse sobre a terra, tal como eu amo cada um dos meus filhos como se ama um filho único.

Se um dos meus filhos está doente, toda a minha atenção se centra nele, sem que eu deixe de amar os outros. Quando o Tomás morreu, o meu mundo desabou, como se nenhum filho mais eu tivesse - e depois reconstruiu-se porque afinal eu tinha mais filhos, e eles precisavam de mim. Se eu estou triste, doente, em pecado, longe de Casa, Deus está centrado em mim como se fosse única no universo.

 

A madre Teresa de Calcutá dizia que Deus só sabe contar até um!

Passando em Jericó, comprimido pela multidão, Jesus olhou para o cimo da árvore e chamou Zaqueu pelo seu nome: "Zaqueu, desce depressa, que hoje tenho de ficar em tua casa!" (Lc 19, 5)

Caminhando pelas ruas, apertado por gente de todo o lado, Jesus virou-Se para ver quem O tinha tocado no manto... Os discípulos pensaram, com razão, que Ele tinha enlouquecido: "Vês que a multidão Te comprime de todos os lados, e ainda perguntas: 'Quem Me tocou?'" (Mc 5, 31)

 

Diante de Deus, nunca sou mais um na multidão. Sou verdadeiramente filho único de um Pai de família numerosa.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:01



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D