Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Malala e os professores

por Teresa Power, em 11.10.14

Era primavera, algures no ano lectivo passado, e estávamos a jantar.

- Mãe, pai, têm alguma sugestão para a minha apresentação oral de Português? - Perguntou a Clarinha num tom desanimado.

- Sugestão? Bem, qual é o tema?

- É livre. Podemos falar de tudo, durante cinco minutos. Não tenho a menor ideia! Ajudem-me!

Durante todo o jantar, a família Power fez então um longo brainstorming para ajudar a Clarinha. Houve imensas sugestões, deste a origem do chocolate aos cangurus. Por fim, o Niall disse:

- Acho que podes aproveitar esta oportunidade para descobrir alguma coisa realmente interessante, em vez de te debruçares sobre meras curiosidades. Por exemplo, uma personalidade que tenha marcado o nosso mundo.

- Que seca!

- Não, Clarinha. Alguém realmente interessante e que seja para ti uma inspiração. Pode ser Nelson Mandela, ou... Já sei! Malala!

A Clarinha abriu os olhos de espanto.

- Quem é essa?

- Ahah, isso agora é contigo! O teu trabalho vai ser descobrir quem é Malala. Basta escrever o nome dela no Google para teres logo acesso a um milhão de sites. Depois, a mãe ajuda-te a organizar o teu pensamento.

Assim foi. A Clarinha deitou mãos ao trabalho, viu vídeos, leu discursos, e finalmente elaborou um belíssimo trabalho. Cá em casa, já todos falavam na Malala e na sua luta pela liberdade de educação das crianças no Paquistão, da sua coragem frente às armas que quase lhe roubaram a vida, da sua audácia, da sua competência, do seu projecto de vida. Pequenos e grandes, todos parávamos diante do computador enquanto a Clarinha nos mostrava uma e outra vez os vídeos com os seus discursos, especialmente o discurso frente à ONU. A apresentação oral passou, mas a Clarinha pediu para comprar o livro Eu, Malala. Leu-o e depois deu-o a ler ao Francisco.

IMG_6440.JPG

No início deste ano lectivo, para aprofundar com os alunos do sétimo ano e dos cursos vocacionais as questões sobre identificação pessoal (nome, nacionalidade, idade, hobbies, família, etc), nas minhas aulas de Inglês, escolhi precisamente a Malala. Como defendi no post de ontem, o meu cristianismo tem de passar por aqui, pela capacidade de oferecer aos alunos muito mais do que os manuais lhes oferecem (ou impingem) e por os ajudar a construir valores verdadeiros e belos. Num curto PowerPoint, escrevi os dados identificativos da Malala e coloquei algumas imagens, que explorámos na aula. Os alunos escutavam-me, de olhos muito abertos. A grande maioria nunca tinha ouvido falar em Malala.

 

Ontem, no primeiro intervalo da manhã, hora a que costumo ler o mail, tinha uma mensagem do Niall: "A Malala acaba de ganhar o Nobel da Paz! " Abri de imediato o link que ele me enviava e li a notícia. Trocámos mais alguns mails rápidos, até que a campaínha me avisou de que o intervalo acabara. Dois minutos depois, eu estava a dar a notícia aos meus alunos, e no fim do dia, aos meus filhos. À noite, na oração, agradecemos a Deus esta grande graça.

 

"Bendito sejas, ó Pai, porque escondeste estas coisas aos grandes e poderosos, e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado!" (Mt 11,25)

 

Aos dezassete anos, Malala é a mais jovem vencedora do Nobel. Malala combate o bom combate, sem armas de fogo e sem medo, toda entregue nas mãos de Deus, a quem trata por Alá. Malala conhece a força que vem do Amor! Recordo aqui algumas das suas palavras:

 

 

“As armas mais poderosas são as canetas e os livros.”
“Os talibãs pensavam que as balas nos iam silenciar, mas enganaram-se. E desse silêncio nasceram milhares de vozes.”
“Nada mudou na minha vida no dia do atentado, excepto isto: o medo e o desespero morreram; a força, o poder e a coragem nasceram.”

Nos "Agradecimentos", no seu livro, Malala escreveu ainda:

"O último ano deu-me a conhecer tanto o ódio extremo do Homem, como o amor ilimitado de Deus."

 

E a minha preferida, aquela que me provoca borbulhas na pele pela responsabilidade que me incute, que me faz tremer pela grandiosidade do dom que me foi confiado:

"Uma criança, um professor, um livro, uma caneta podem mudar o mundo."

Assim seja, Malala!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:40



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II


Posts mais comentados


Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D