Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Tempo de família em época de natal

por Teresa Power, em 10.12.14

Cá em casa, a partir do início de Dezembro há uma actividade que é proibida: ir às compras em família. Acabaram-se as idas dos mais novos ao Continente no sábado de manhã, para ajudar o pai a encher o carrinho de arroz, massa, leite, iogurtes e carne: a partir de Dezembro, o pai faz isso sozinho.

Os nossos filhos vêem pouquíssima televisão - o Francisco e a Clarinha gostam de ver vídeos do seu interesse no computador, relacionados com os seus hobbies: magia, ginástica, música, ciência; os mais novos vêem meia hora de televisão ao sábado, depois do banho, quando passa o Jake e os Piratas. E é tudo! Assim, a única outra fonte de exposição que os Power junior têm ao consumismo desta época é o Continente. Mas mesmo essa me parece excessiva, quando procuramos preparar o Natal.

Não podemos falar de um Jesus pobre, humilde, sem lugar na hospedaria, quando à nossa volta reluzem as últimas novidades no universo dos brinquedos. E é complicado educar para a renúncia diante de tanta oferta! Para mim, adulta, uma simples ida às compras para encher a despensa cá de casa nesta época festiva é suficiente para perturbar o espírito de oração e de contemplação que tento cultivar. O que não fará às crianças!

Tenho uma amiga em Aveiro que me falou das filas intermináveis, no domingo passado, na variante, por causa dos acessos às grandes superfícies na zona industrial. Eu dei uma gargalhada: ah, o nosso domingo foi tão tranquilo, tão cheio dos louvores do Senhor!

O dia estava lindo, portanto, o Francisco, a Clarinha e o David foram de bicicleta, e nós fomos de carro, transportando as bicicletas dos mais novos. O destino era a Curia, que dista uns dois quilómetros da nossa casa:

DSC00070.JPG

DSC00076.JPG

Na serenidade da floresta encontrámos um tapete vermelho outonal lindíssimo a cobrir o chão, junto do lago. Foi aí que fizemos o nosso piquenique. Tinhamos levado connosco uma caixa com deliciosas broinhas de Natal, que uma amiga muito querida nos oferecera na véspera. Ah, souberam tão bem!

DSC00126.JPG

O Francisco desapareceu logo depois do lanche, montado na sua bicicleta. Encontrámo-lo mais tarde, empoleirado numa árvore...

DSC00149.JPG

... e depois noutra...

DSC00131.JPG

 ... e depois noutra e ainda noutra...

Os mais novos brincaram no parque e fizeram castelos de folhas de outono:

DSC00097.JPG

DSC00087.JPG

DSC00153.JPG

O Livro de Neemias conta uma história magnífica: Neemias sentiu o chamamento do Senhor a regressar a Jerusalém e a reconstruir as muralhas da cidade, para que todo o povo pudesse regressar do longo exílio na Babilónia e voltar a viver de acordo com a sua fé. Diz Neemias:

 

"Estais a ver a triste situação em que nos encontramos: Jerusalém está em ruínas e as suas portas foram devoradas pelo fogo. Vamos! Temos que reconstruir as muralhas de Jerusalém!" (Nee 2, 17)

 

Dito e feito: as muralhas foram reconstruídas, e os belíssimos rituais judaicos renasceram no seu interior.

Hoje, muitas famílias cristãs estão numa situação muito semelhante à de Jerusalém antiga:  as muralhas sólidas dos grandes valores cristãos caíram por terra, e o inimigo atacou a cidade. É urgente reconstruir as muralhas, trabalhando os valores, recriando rituais, indo buscar o cimento aos sacramentos. Não permitamos que o inimigo se infiltre através das brechas do nosso instinto consumista, nesta época em que todo o nosso pensamento e todo o nosso coração se deveriam centrar apenas no Amor...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 06:24


15 comentários

De Catarina Silva a 10.12.2014 às 17:30

Ai Teresa, o tema que foi abordar...
Não imagina a minha dificuldade. Para as pessoas não católicas o Natal passa tão somente pelas prendas (muitas) e pelo farto manjar!
Como também não gostam de ter trabalho em juntar a família (sobretudo as crianças que desarrumam), ofereci-me eu para juntar a família , mas já que eu me voluntariava então o Natal teria de ser " á minha maneira". Quando lhes disse que não haveria presentes (somente para as crianças e poucos) e que queria iria à missa à meia noite, ficaram a olhar para mim como se tivesse enlouquecido . Quando os incentivei a acompanharem-me, tive receio que me quisessem internar.
Mas como, ou era assim ou então só faria o Natal para os meus filhos e marido, lá aceitaram (que remédio!) :)

De Olívia a 10.12.2014 às 22:01

Grande mulher!
Um abraço!
Olívia

De Teresa Power a 10.12.2014 às 22:24

Ora nem mais! Assim tenhamos todos coragem para anunciar ao mundo o verdadeiro sentido do Natal! bjs

Comentar post




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds


livros escritos pela mãe

Os Mistérios da Fé
NOVO - Volume III

Volumes I e II



Pesquisa

Pesquisar no Blog  


Arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D